VICENTE 2011

Os corvos – tradicionalmente chamados ‘Vicentes’ – são um importante símbolo da cidade de Lisboa. Discretamente, fitam-nos dos brasões suspensos nos candeeiros de rua, nas bandeiras oficiais, mas têm estado ausentes da memória colectiva. Agora, o projecto Travessa da Ermida decidiu ‘dar asas’ ao Corvo de Lisboa, num projecto de cultura urbana, arte pública e edição, com a participação de criadores internacionais e desenvolvido em parceria com várias entidades, instituições e empresas. Vicente é o desassossegar cosmopolita da imaginação.

Veja o dossier de apresentação aqui
Veja o PR da exposição aqui
 www.egeac.pt

Quando Vicente bateu as asas ainda não se chamava Vicente. Era ‘apenas’ uma ideia para realizarmos uma exposição de arte da luz na Ermida de N. Sra. da Conceição à Travessa do Marta Pinto, dedicada aos corvos de Lisboa. Nesse primeiro momento, estávamos longe de vislumbrar como certamente muitos leitores e concidadãos a riqueza do tema, e é desse processo de uma primeira apropriação do mito e da história que este livro dá nota.
A Travessa da Ermida quis acordar um símbolo, o nada que é tudo. O símbolo de Lisboa, a cidade branca dos corvos negros no brasão. Vicente, santo padroeiro, lenda antiga e presença quotidiana. Em conjunto com artistas e autores – a quem foi pedido que dessem voz e corpo à mais complexa das personagens: a fugaz consciência da cidade.
Vicente é sobre o mito que refunda e a acção que ilumina, a imponderabilidade do signo em emergência.
As componentes do projecto emergiram com naturalidade. Chegados às artes da luz, da situação e da palavra, aprochegaram--se as conversas e os passeios, o encontro com uma ars urbana. Vicente voltou a bater as asas.
O desassossego crocitou. Lisboa deixa-se imaginar. A História não é um livro fechado.
A procissão – processio, processo – ainda vai no adro. As perspectivas destes textos e destas imagens mal arranham a densidade de um mito e de uma história complexa e com ressonâncias milenares, mas este pode ser um lugar de revelação. A revelação de uma evidência: conversar – conversação/conversão… – é preciso, dizer não é preciso.
Vicente, desde logo n’A Invenção de Lisboa por Sarmento de Matos, é esta viagem conversacional às sombras da luz, ao longo da Travessa do Marta Pinto, ao fundo da memória, ao fim do princípio. Ao chamarmos simplesmente Vicente a um projecto cultural com esta complexidade, esperamos fazer justiça à ideia de que é na contingente informalidade que a cultura se encontra com o quotidiano colectivo.

Curadoria: Mário Caeiro /Intervenções artísticas: Simeon Nelson, Jana Matejkova, João Ribeiro + Carole Purnelle & Nuno Maya, André Banha
Ermida da N.ª Sr.ª da Conceição 10 de Setembro a 25 de Outubro 2011
Informação à imprensa: Fábia Fernandes – t. 213-637-700 – ermida@travessadaermida.com
 
Entidade promotora: Projecto Travessa da Ermida /Direcção de projecto: Eduardo Fernandes /Direcção de produção: Fábia Fernandes /Produção: Patrícia Craveiro Lopes /Conceito: Mário Caeiro /Consultadoria: José Sarmento de Matos /Design: Silvadesigners /Artistas plásticos: Simeon Nelson, João Ribeiro + Nuno Maya & Carole Purnelle, Jana Matejkova, André Banha /Autores: Mário Caeiro, José Sarmento de Matos, Luís de Oliveira e Silva, Nelson Guerreiro, Pedro Gadanho
 
Organização: Projecto Travessa da Ermida
Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, EGEAC, Turismo de Portugal, Junta de Freguesia de Santa Maria de Belém, Companhia das Quintas, Manulena Lda, Jardim Botânico Tropical, Pensão Setubalense, University of Hertfordshire, Embaixada da República Checa, Molduras RTP 2, Lusa 


Ermida de Belem

© 2011- 2013 Travessa da Ermida, todos os direitos reservados

made by:BuzzID