Eco

2/12/2017 - 30/12/ 2017
www.ruisanches.com

A exposição consiste numa escultura em MDF  e ferro.

O volume central da escultura, uma sucessão de placas de MDF sobrepostas e que formam um paralelepípedo, está situado aproximadamente ao nível dos olhos do observador. Para cima e para baixo, o volume de MDF, é continuado por estruturas metálicas com o mesmo perímetro.

Este volume tem numa das faces um arco aberto e através dele podemos ver o seu interior: um espaço cavernoso, iluminado pela luz que entra pelo plano superior, onde se distingue, entre outras formas, algo que evoca uma figura.

Apercebemo-nos então de que aquele volume sugere um modelo, numa escala reduzida, do espaço da capela. A sua forma e desenho é como um eco da própria arquitectura interior da ermida onde nos encontramos.

Sobre Rui Sanches
(Lisboa, 1954)

Goldsmiths’ College, Londres (BA 1980) e Yale University, New Haven (MFA 1982).

Em 1984 expôs pela primeira vez o seu trabalho na Galeria de Arte Moderna da SNBA e na Galeria Diferença, em Lisboa. Desde então realizou mais de quarenta exposições individuais de que se destacam a exposição retrospectiva no CAM da F. C. Gulbenkian (2001), a exposição “MUSEUM” no Museu Nacional de Arte Antiga (2008) e “Dentro do desenho” na Fundação Carmona e Costa (2014). Participou em dezenas de exposições colectivas, em Portugal e no estrangeiro. O seu trabalho está representado nas principais colecções públicas portuguesas e em várias colecções estrangeiras, nomeadamente: Museu Gulbenkian, Colecção Moderna; Fundação de Serralves; Museum Van Hedendaagse Kunst Antwerp; Museu Extremeño e Iberoamericano de Arte Contemporâneo, Badajoz; Fundação EDP; Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento; Colecção Berardo e Colecção Cachola.





Ermida de Belem

© 2011- 2013 Travessa da Ermida, todos os direitos reservados

made by:BuzzID